Back

Seminário da Campanha Europeia "Locais de trabalho saudáveis: gerir as substâncias perigosas

No âmbito da Campanha Europeia 2018-2019, a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), realizou no Auditório Infante D. Henrique, um seminário que teve como objetivo a partilha de exemplos de boas práticas na Gestão das Substâncias Perigosas.
 


O seminário contou com a presença de várias instituições que concorreram à 14.ª edição dos Prémios de Boas Práticas da Campanha «Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis» de segurança e saúde no trabalho (SST), nomeadamente, a AdRA - Águas da Região de Aveiro, a Tyco Electronics, a MEGASA – SN Maia – Siderurgia Nacional, S.A. e a Câmara Municipal de Lisboa, que apresentaram as Boas Práticas que implementaram, no âmbito desta campanha.

Os principais objectivos da campanha passam por:

  • Sensibilizar para a importância da prevenção dos riscos provocados pelas substâncias perigosas , ajudando a esclarecer equívocos comuns.
  • Promover a avaliação dos riscos , prestando informações sobre ferramentas práticas e criando oportunidades para a partilha de boas práticas, com especial incidência:
  • na eliminação ou substituição das substâncias perigosas no local de trabalho,
  • na hierarquia das medidas de prevenção (ou seja, seguir a hierarquia prevista na legislação, para que seja sempre selecionado o tipo de medida mais eficaz).
  • Aumentar a consciência sobre os riscos associados às exposições a substâncias cancerígenas no local de trabalho, apoiando o intercâmbio de boas práticas; a EU-OSHA é signatária do pacto relativo ao Roteiro da UE sobre agentes cancerígenos.
  • Identificar grupos de trabalhadores  com necessidades específicas e níveis mais elevados de risco, fornecendo informações adaptadas, bem como exemplos de boas práticas. Os riscos poderão ser mais elevados pelo facto de estes trabalhadores serem inexperientes, estarem mal informados ou serem fisicamente mais vulneráveis, ou por mudarem frequentemente de emprego, ou trabalharem em setores em que a sensibilização para o problema é reduzida, ou devido a uma sensibilidade fisiológica superior ou diferente (por exemplo, em jovens aprendizes, ou diferenças entre homens e mulheres).
  • Aumentar o conhecimento sobre o quadro legislativo já em vigor para proteger os trabalhadores, bem como salientar a evolução ao nível das políticas.

Cerca de 80 participantes de diversas entidades públicas e privadas marcaram presença, contribuindo, dessa forma, para a divulgação e sensibilização para a boas práticas na Gestão das Substâncias Perigosas.

Outubro 2019