Notícias
Voltar

Porto de Leixões melhora acessibilidades, cria novo terminal e beneficia o porto de pesca

A Ministra do Mar Ana Paula Vitorino anunciou a 27 de fevereiro o concurso para as obras de prolongamento do quebra-mar exterior em 300 metros e de aprofundamento do canal de entrada, anteporto e bacia de rotação do Porto de Leixões. Estas intervenções, que representam um investimento público de 147 milhões de euros até 2021, vão permitir melhorar as condições de segurança e navegabilidade da barra e viabilizar a entrada de navios de maior dimensão.

Com um alinhamento rodado 20 graus para oeste, o prolongamento do quebra-mar melhorará a operacionalidade do porto no seu todo, assegurando, assim, uma acessibilidade mais segura e facilitada nas mais diversas condições meteo-marítimas.

Simultaneamente, a dragagem do canal de entrada e da bacia de rotação – aprofundando para, respetivamente, -16,85 metros e -15,5 metros de fundos – cria condições para dar resposta ao progressivo aumento da dimensão da frota dos navios, nomeadamente até 300 metros de comprimento.

As intervenções para melhoria das acessibilidades estão consignadas na Estratégia para o Aumento da Competitividade da Rede de Portos Comerciais do Continente – Horizonte 2026, sendo consideradas essenciais ao desenvolvimento portuário no contexto das novas orientações de mercado.

Na ocasião, a Ministra do Mar anunciou, também, que para avaliar os eventuais efeitos do prolongamento do quebra-mar na fisiologia da Praia de Matosinhos, irá ser feita, ao longo de cinco anos, a monitorização das ondas através de métodos científicos e de observação no local, e, junto da comunidade, aferir possíveis medidas mitigadoras de efeitos que possam vir a manifestar-se.

Entretanto, a concretização da melhoria das acessibilidades ao Porto de Leixões vem viabilizar um outro projeto da APDL que visa a criação do Novo Terminal no Molhe Sul, com um investimento privado de 70 milhões de euros.

O Novo Terminal terá fundos de -14,8 metros, uma linha de cais de 360 metros num terrapleno de 16 hectares e capacidade de movimentação de 435 mil TEUS.

Simultaneamente, a APDL vai promover a melhoria das condições de operação do porto de pesca do Porto de Leixões. Para esse efeito, serão criados um novo entreposto frigorífico e uma nova fábrica de gelo; beneficiadas as duas pontes-cais a manter; e construída uma nova linha de cais para acostagem de embarcações de pesca, gerando um novo porto de abrigo.

 

Fevereiro 2019