Notícias
Voltar

Harmonia entre cidades e portos no centro do debate da conferência Arquitetura

APDL ACOLHEU REUNIÃO DO GOVERNO DA RETE

"O porto de Leixões foi uma cicatriz na cidade. Houve uma transformação profunda e hoje é um elemento agradável e atractivo na malha urbana", reconheceu Guilherme Pinto, presidente da Câmara Municipal de Matosinhos no encerramento da Conferência Arquitetura & Frentes D'Água, organizada no âmbito do Governo da RETE, Associação para a Colaboração entre Portos e Cidades, cuja presidência é exercida pelo eng. Brogueira Dias, da Administração dos Portos do Douro e Leixões.

Uma ideia corroborada pelo arquitecto Adalberto Dias – "o porto de Leixões tem a grande felicidade por estar completamente abafado pela cidade numa relação de cumplicidade" --, que juntamente com os arquitectos Carlos Prata, Francisco Vieira de Campos, Nuno Sampaio e Rinio Bruttomesso, com moderação de Nuno Grande, procuraram debater com conhecimento crítico e com o recurso a projectos icónicos de arquitectura na frente urbana dispersos pelo mundo a desejável harmonia entre cidades e portos.

O italiano Rinio Bruttomesso apresentou uma visão transversal e internacional, defendendo que "a revolução urbana do nosso século terá lugar nas cidades próximas da água". Reconhecendo "a frente de água como lugar de conflitos e espaços de oportunidades", este professor de arquitectura na IUAV Universidade de Veneza apontou a "planificação como ferramenta para um controlo flexível dos conflitos", onde a arquitectura surge como "a expressão de identidade e criatividade urbana".

Nesta conferência Arquitetura & Frentes D'Água participou também José Maria Costa, presidente da Câmara de Viana do Castelo, porto que juntamente com o de Leixões integra o Nó Avançado do Norte de Portugal da RETE, recuperando a ideia que "é preciso uma boa harmonia entre cidades e portos".